A História do US Open

O primeiro campeonto dos Estados Unidos aconteceu em 1881 e é disputado em agosto, em Newport e Rhode Island. O torneio feminino de simples é disputado pela primeira vez em 1887. Em 1903, Lawrence Doherty é o primeiro estrangeiro a vencer o torneio. Em 1919, o torneio é transferido para a cidade de Nova York, e em 1926 um francês, René Lacoste, torna-se o primeiro estrangeiro não falante do inglês a triunfar no US Open.
O torneio foi disputado em quadras de grama de 1974, depois em saibro entre 1975 e 1977. Em 1997, o estádio Arthur Ashe é inaugurado, podendo acolher 23.500 espectadores, o maior do mundo. Junto com o Open da Austrália, o Torneio de Rolland Garros e o torneio de Winbledon, o Us Open compõem os quatro torneios do Grand Slam. O US Open é o quarto e último torneio do Grand Slam da temporada. Ele é disputado em superfície dura.


Extraído do Wikipédia

Brasil na Copa Davis

O Brasil não tem muita tradição na Copa Davis. Fez sua estréia em 1935, com Ricardo Pernambuco, Ivo Simons, Nélson Cruz, Inácio Nogueira, Humberto Costa e Roberto Whately, desclassificados na primeira rodada pelos Estados Unidos. Até 1966, os brasileiros não conseguiram nenhuma vitória expressiva. A partir desse ano, o Brasil passa a ser mais respeitado internacionalmente. Thomaz Koch e Edison Mandarino levam o Brasil às semifinais contra a Índia, mas foi derotado em Calcutá. O mesmo acontece em 1971, quando o Brasil deixou de disputar a final contra os Estados Unidos ao perder para a Romênia. Individualmente Thomaz Koch é o brasileiro que mais se destacou, sendo o sétimo jogador em número de vitórias em toda a história da competição. O Brasil voltou às semifinais em 1992, liderado por Luiz Mattar e Jaime Oncins, após vencer sete confrontos seguidos, sua mais expressiva série de vitórias, incluindo a Alemanha de Boris Becker e a Itália - no Rio de Janeiro e em Macéio. foi derrotado pela Suiça e Genebra.
Depois disso o Brasil não forma grandes equipes, só voltando a ter bons resultados nos anos 90 com Gustavo Kuerten e Fernando Meligeni como os principais jogadores, e volta a ter bons rendimentos, como a semifinal que perdeu para a Austrália em 2000. Nos últimos anos, tem disputado a repescagem para o retorno ao Grupo Mundial.


Extraído do wikipédia

Empunhadura Continental, Eastern e Semi-Western

Continental

A Continental é a mais neutra de todas as empunhaduras. Segundo historiadores, o nome (Continental) vem do  fato de ela ter sido originada na Europa (então o continente). Era a mais usada nos anos dourados do Tênis e até a década de 1960. Mas, ao contrário do que se pensa, ela não está extinta nas grandes escolas do mundo, mesmo quando se trata de jogar no fundo de quadra.
Seus adeptos preferem as bolas mais baixas, entre a altura do joelho e da cintura. Suas batidas são mais planas, do que as outras empunhaduras. Até pelo desconforto para golpear as bolas altas, eles batem muitas vezes na subida e usam bastante os slices. Para os saques chapados e slices, overheads (smashes) e voleios é a mais indicada.

Eastern

Muito mais regular para os drivers por produzir golpes com mais top spin do que a Continental. Ela é muito mais usada por jogadores de quadra rápida - em que as bolas quicam mais baixo -, pois seu ponto de contato ideal fica entre a altura da cintura e o ombro. Também é usada no fundo de quadra mesmo por bons voleadores devido à sua proximidade da Continental (a melhor empunhadura para voleios), pois assim eles podem realizar as mudanças com facilidade e adaptação é perfeita.
Com ela, consegue-se um ótimo ajuste também para golpes mais chapados, favorecendo muito um estilo agressivo. É usada para se ensinar iniciantes a sacar, volear e nos smashes. Ela pode ser usada nestes casos até o jogador ter nível intermediário. O nome (Eastern) também seria em decorrência do seu surgimento, na Costa Leste dos Estados Unidos.

Semi-Western

Considerada por muitos a empunhadura moderna, produz golpes ainda mais firmes que a Western, com praticamente a mesma regularidade. Um pouco menos "virada", ela tem melhor resultado em batidas definidoras - winners. Além de aumentar sua adaptação tanto para as quadras de saibro quanto as rápidas.

Extraído da revistas Tênis

A História da Copa Davis

A história da Copa Davis teve início no final dos anos 1800. A Copa nada mais é do que a realização de um estudante universitário chamado Dwight Davis, que idealizou uma disputa que o permitisse viajar pelo mundo e colocasse em quadra o espírito de equipe e o patriotismo.
Dwight passava mais tempo nas quadras de tênis do campus da Universidade de Harvard do que nas salas de aula, onde cursava Direito. Ainda como estudante ele conquistou o segundo lugar no ranking dos tenistas norte-americanos. Seu saque era tão forte que Davis recebeu de seus adversários o apelido de "furacão".
Mas o evento em si, que leva o nome do jogador em homenagem ao mesmo, teve início em 1883, quando os irmãos norte-americanos Joseph e Clarence Clark desafiaram os gêmeos ingleses Willim e Ernest Renshaw para um "mini-torneio", onde seriam disputadas quatro partidas de simples e uma de duplas. Dezessete anos após este desafio, três estudantes de Harvard (EUA) desafiaram novamente os ingleses. A equipe americana era formada por Dwight Davis, Malcolm Whitman e Holcombe Ward. Já os ingleses, que na época eram os melhores do mundo, tinham a equipe formada por Herbert Barret, Ernest Black e Arthur Gore.
Os ingleses aceitaram o desafio de prontidão, pois sabiam de seu favoritismo e estavam muito interessados em conhecer o outro continente. No dia 8 de agosto de 1900 os norte-americanos derrotaram os favoritos ingleses por 3 a 0. Os ingleses ficaram tão decepcionados com sua performance que literalmente desistiram das duas últimas partidas! Desta maneira, teve início um dos mais importantes torneios de Tênis do mundo.
No começo, o torneio era disputado apenas pelo Estados Unidos e Inglaterra. Em 1906, os franceses e os belgas, também entraram na disputa. Em 1923, o número de países participantes já era tão alto que os organizadores tiveram que dividir os jogadores em zonas, estabelecendo a Zona Européia e a Zona Americana.
Em 1960, 39 países já disputavam a Copa Davis. A grande transformação da Davis aconteceu mesmo nos anos 80, gerando na época muito descontentamento. Até então, todos os países tinham o direito de vencer o torneio. Com a criação do Grupo Mundial, apenas 16 países passaram a disputar o título. Os outros poderiam apenas disputar uma vaga no Grupo Mundial, através de uma série de confrontos em diversos grupos.
                          Observação:
                          Espanha: campeã em 2008 e 2009
                          Sérvia: campeã em 2010


Extraído do site Uol.

Os segredos de um bom saque!

O saque é, sem dúvida, um dos grandes golpes mais importantes do Tênis. Há alguns anos, chegou a ser considerado o mais importante de todos, principalmente em superfícies rápidas. Hoje em dia, a devolução é vista como um antídoto para o saque, mas um bom serviço ainda é uma boa arma. Apesar de, no momento do saque, o jogador não ser afetado por uma bola golpeada pelo rival, de ter tempo para decidir onde e como sacar e de poder se concentrar nas questões técnicas exigidas, ainda é um dos golpes de maior complexidade para ser aprendido.
O ritmo Um aspecto muito importante para o saque é o ritmo. Este produto da coordenação fina de uma série de movimentos, que precisam ser executados com muita soltura. É possível afirmar que o saque se realiza em dois tempos bem marcados. Um deles, mais lento, que vai do lançamento da bola até o instante prévio do preparo para o impulso dos membros inferiores e da extensão do corpo todo, de onde a explosão, o segundo momento, se converte em protagonista principal.
Para ter um saque eficiente, é fundamental e de grande importância uma técnica correta de lançamento, feita pelos membros superiores. O lançamento, realizado juntamente com uma adequada impulsão de pernas e uma rotação do quadril e dos ombros para que o impacto se produza na altura ideal, é a chave de um bom serviço.
A força Outro aspecto que merece atenção especial no saque é a força. Como foi explicado, o saque está relacionado a uma fina coordenação de movimentos ("timing"), e qualquer ação no sentido de forçar essa cadeia de movimentos pode romper a coordenação, com a consequente perda de "timing". Quanto mais forte se pretende sacar, mais é preciso pensar em movimentos rápidos, porém coordenados, e isso se consegue com soltura, não com força.
Um jogador pode sacar muito bem tecnicamente, o que não significa que é um bom sacador. Um bom sacador é aquele que reúne as seguintes características:
  1. Variantes de direções e efeitos;
  2. Alta porcentagem de acerto de primeiros serviços;
  3. Criatividade nas jogadas a partir do saque;
  4. Habilidade para decidir a direção no último momento. 
Muitos jogadores sacam muito bem, mas não sabem utilizar a surpresa, as variantes e a inteligência da parte tática. Há jogadores de alto nível que ganham pontos em seu serviço não somente com aces, mas com jogadas premeditadas, como, por exemplo, de saque e direita, saque e rede, saque no corpo para obter devoluções ruins etc.
Um bom primeiro serviço é muito útil para sair de situações adversas como um ace, um saque ganhador, ou simplesmente para tomar a iniciativa do ponto. Em um Tênis de alto nível, aquele que coloca um bom primeiro saque, geralmente decide o futuro do ponto.
Aspectos técnicos
Empunhadura:
É aconselhável uma empunhadura entre continental e eastern, que permite golpear tanto um kick, com um slice ou de maneira plana, através do movimento de pronação. É comum observar muitas empunhaduras eastern e western em jogadoras e jogadores mais novos. É uma opção que não permite variação dos efeitos para o serviço, pois implica uma incorreta colocação de punho e do plano da raquete (bandeja). Para fazer a mudança destes tipos de empunhadura para uma mais adequada, é recomendável ir aos poucos, porém sem pausa, adaptando-se lentamente à empunhadura correta, mesmo que isso provoque algumas frustações iniciais, como conseqüência das duplas faltas.
Preparação:
É muito importante uma rotina prévia ao serviço, como um ritual. Em geral, os jogadores deixam a bola quicar por mais de uma vez. Obviamente, isso não contém elementos técnicos. Sua importânica está no fato de trazer maior concentração para o serviço ser realizado. Neste momento, o tenista decide onde sacará e que tipo de jogada buscará fazer para vencer o ponto.
Posição dos pés:
A posição de pés adotada antes do saque deve ser o mais cômoda possível. Recomendamos o pé esquerdo apontado para o poste da rede, que fica do lado direito, e o pé direito paralelo à linha de saque. Os pés não devem estar nem muito juntos nem muito separados. É preciso evitar posturas iniciais em que o jogador quase vira as costas para a rede.
Lançamento da bola:
É de vital importância o domínio do lançamento, já que isso condicionará o resto de todo o movimento. É algo que deve ser treinado desde quando tem pouca idade, já que é um erro recorrente entre os jogadores jovens. É preferível que o braço sempre esteja estendido, fazendo um percurso lento e controlado e seguindo a linha do pé esquerdo para o canto do corpo. Também é necessário evitar que a bola rode no ar, então é preciso segurar a bola com as pontas dos dedos.
Colocação do corpo debaixo da bola:
Isso se faz colocando o quadril embaixo da bola e flexionando os membros inferiores de uma vez. É muito importante manter o equilíbrio do corpo, uma vez que o peso se concentra na perna da frente. O braço esquerdo deve estar apontando a bola, com a cabeça e tronco erguidos. Destacamos que a permanência da flexão dos joelhos não deve exceder o tempo de buscar a bola. É preciso controlar a linha do braço esquerdo com os ombros e o cotovelo direito, para evitar que este último atrapalhe a formação adequada  dessa linha.
Impulsão e extensão:
Chega o momento da explosão, que se inicia empurrando o solo com as pernas para impulsão. Nessa fase do movimento do saque, o jogador precisa estar perfeitamente equilibrado para impulsionar a  parte direita do corpo para cima e para frente, buscando alcançar a maior extensão possível. A esta chega depois de uma importante rotação de quadril e tronco, passando logo o ombro direito para cima e para frente do esquerdo, ou seja, mantendo ombro sobre ombro, enquanto o cotovelo direito se eleva, fazendo com que mão e raquete cheguem o mais alto possível. O jogador deve sentir a cabeça da raquete à direita para bloquear.
Terminação:
Cair dentro da quadra significa que foi feita uma transferência de peso linear para o objetivo. O ideal é que a transferência linear siga a trajetória da bola o máximo possível. Tanto faz cair com o pé direito ou esquerdo, desde que seja dentro da quadra.

Extrádo da revista: TENNIS VIEW 

O que comer antes, durante e após uma partida de Tênis

Sentir fraqueza, tontura e mal-estar no início do jogo pode ser um sinal de má alimentação. Na literatura científica já está bem documentado a importância da adoção de bons hábitos alimentares para um melhor desempenho no esporte. A composição nutricional, o modo de preparo, a quantidade do alimento escolhido e ainda no horário de consumo, têm influência direta sobre o rendimento do tenista durante o jogo.
Muitas vezes as pessoas falam pra comer um chocolate, vai te dar energia durante o jogo. As pessoas realmente acreditam nessa prática. Grande engano! Chocolates, doces, refrigerantes e balas são alimentos ricos em açúcar simples (glicose). O seu consumo pré-exercício pode provocar um aumento rápido do açúcar sanguíneo (glicemia), de cinco a dez minutos após a ingestão, provocando grande liberação de insulina pelo pâncreas. O excesso de insulina - hormônio responsável por transportar a glicose presente na corrente sanguínea para dentro das células - desencadeia um declínio brusco no açúcar sanguíneo (hipoglicemia) à medida que a glicose passa rapidamente para dentro das células.
É essa "hipoglicemia de rebote" que leva o indivíduo à sensação de fraqueza, tontura e mal-estar. O mesmo não acontece com o consumo de açúcar simples durante o exercício. A atividade física estimula a produção de hormônios específicos que inibem a liberação de insulina. Simultaneamente, ela faz aumentar a absorção de glicose por parte do músculo, sem necessidade de insulina e, conseqüentemente, sem hipoglicemia.

O que comer antes do jogo?


Logo antes do jogo deve-se comer frutas ou alimentos ricos em carboidrato complexos?. Infelizmente, avaliação se um determinado alimento é favorável para consumo logo antes do início de uma partida não depende apenas da sua classificação como carboidrato simples ou complexo.
O arroz são considerados alimentos ricos em carboidratos complexos (amido), mas o fato de eles passarem
pelo processo de refinamento e cozimento faz com que, no organismo, comportem-se da mesma maneira que o açúcar simples. Já as frutas, ricas em frutose e também por apresentarem fibras na sua composição, provocam um menor aumento da glicemia do que o arroz branco, pois o conteúdo de fibras de um alimento torna mais lento o ritmo de digestão. Sendo assim, logo antes do início de um jogo também devemos evitar os alimentos com alto teor de fibras (verduras cruas, cereais, feijão, ervilha, grão de bico, frutas com casca e/ou com bagaço) para que o fluxo sanguíneo não seja desviado da digestão para os músculos, o que poderá ocasionar certo desconforto gástrico.
Portanto, para prevenir os possíveis efeitos negativos dos açúcares simples (exceto a frutose) e dos alimentos com grandes quantidades de fibras, deve-se evitar ingeri-los pelo menos 60 minutos antes do jogo. Isso proporcionará tempo suficiente para restabelecer o equilíbrio hormonal e sanguíneo antes da partida. O ideal é somente se alimentar nesse curto período pré-jogo caso realmente seja necessário.

O que comer durante o jogo?


A suplementação de carboidratos durante o jogo pode ser muito eficiente para manter a glicemia, retardar a fadiga e a queda do desempenho. Caso você tenha se alimentado adequadamente na fase preparatória, não há necessidade de suplementação antes de 60 minutos de exercício. No entanto, se seus estoques corporais de carboidrato estiverem reduzidos ao início do jogo, devido a uma alimentação inadequada ou a sequência de partidas extenuantes, você deverá iniciar a suplementação logo no início.
O ideal é consumir de 30 a 60 gramas de carboidrato a cada hora de atividade. Os repositores hidroeletrolíticos e bebidas com 6 a 8% de carboidrato (maltodextrina ou bebidas com uma mistura de glicose, frutose e sacarose). Os alimentos ricos em carboidrato e pobres em fibras (exemplo: barras e géis energéticos, banana e frutas secas) também podem ser consumidas. A ingestão ideal de carboidrato vai depender da alimentação pré-jogo, da intensidade e duração da partida e ainda da tolerância individual. O importante é consumir pequenas quantidades de carboidrato em intervalos regulares.


O que comer após o jogo?


Dificilmente os jogadores costumam se importar com a escolha dos alimentos após uma partida, tanto os que perderam por pensarem que nada mais pode ser efeito para reverter o resultado, como os que ganharam - que acham que, por já terem vencido, não precisam mais se preocupar com a alimentação.
Estão muito enganados, pois isso pode influenciar negativamente na partida do dia seguinte. A alimentação após o jogo tem por finalidade repor as reservas de energia (carboidrato) do organismo e assegurar uma rápida recuperação. Estudos têm demonstrado que, para acelerar o reabastecimento de energia após um jogo longo, deve-se consumir alimentos ricos em carboidratos o mais cedo possível. Por isso, os jogadores com mais de uma partida no dia e/ou em dias seguidos devem ingerir carboidrato imediatamente após o jogo, a fim de tentar recuperar toda a energia gasta e evitar que inicie a partida seguida já cansado. Essa prática alimentar é um grande desafio para os tenistas, já que, muitas vezes, após o jogo o atleta não sente fome ou esquece de se alimentar por estar mais preocupado em comemorar. Neste caso, aconselhável fazer uso de bebidas esportivas ou bebidas a base de carboidrato.
Ao contrário da alimentação que antecede a partida, na alimentação pós-jogo deve-se priorizar os carboidratos simples, já que eles são rapidamente digeridos para serem absorvidos pelas células. O consumo de uma pequena quantidade de alimentos ricos em proteína (iogurte desnatado, queijo branco e carnes magras), junto com o carboidrato, também ajuda na recuperação muscular. No entanto, se o tenista tiver dois jogos no mesmo dia, com intervalo inferior a quatro horas, deve evitar as proteínas, por terem digestão mais demorada. Elas, por fornecerem aminoácidos, são importantes nos processos de reparo e construção do tecido muscular. Em uma alimentação equilibrada, a ingestão de proteína deve representar 15% do consumo calórico total do dia.

extraído da revista TÊNIS

Fabricação de bolas de Tênis




A bola de tênis é uma bola com um pequeno diâmetro, e é utilizada na prática esportiva de tênis. Para impulsioná-la utiliza-se um instrumento chamado raquete. Um jogador profissional pode fazer com que ela chegue a mais de 240 km/h. A bola de tênis é revestida por feltros, por que isso permite traçar uma trajetória mais correta, em comparação com uma bola totalmente lisa. Em média, uma bola de tênis pesa de 56 a 58 gramas.

Raquete K Six One 95

  • cabeça: 95 in
  • peso: 332 gramas
  • balanço: 
  • aro: 17 mm

Raquete Youtek Speed Pro

  • peso: 335 gramas
  • cabeça: 630 cm²
  • equilíbrio: 310 mm
  • perfil do aro: 18 mm
  • composição: teflon
Essa raquete é utilizada pelo Novak Djokovic atual número um do mundo.

Raquete Aeropro Drive GT

  • cabeça: 100 Sq.In
  • peso: 300 gramas
  • equilíbrio: 320 mm
  • rigidez: 72 ra
  • comprimento: 27 in
A raquete de tênis babolat aeropro drive gt (grafite e tungstênio). Essa raquete tem peso no cabo, o que ajuda na direção e controle da bola. Raquete utiliza pelo Rafael Nadal e Jo-Wilfried Tsonga.

Raquete Pure Drive GT

  • cabeça: 100 sq In
  • peso: 300 gramas 
  • equilíbrio: 320 mm
  • comprimento: 27".
A raquete de tênis babolat pure drive gt (grafite e tungstênio). Reduz o impacto e aumenta a precisão e o controle.

Drop shot e lob defensivo no saibro

Lob defensivo de backhand com slice


Normalmente nessa situação  o jogador está sendo atacado, numa posição de defesa, fora da quadra (bem atrás da linha de base) e tenta se manter no ponto batendo um lob alto, com muito slice. Com o slice e a altura da bola, ele tenta ganhar um pouco de tempo para poder se recuperar e assim voltar a uma melhor situação no ponto. Neste golpe é muito importante:

  1. saber deslizar na quadra
  2. manter o equilíbrio, pois o jogador estará dando um pique e, muitas vezes, bate quase de costas para a quadra
  3. ter o pulso firme na hora do impacto, mantendo a cabeça da raquete em uma posição acima do seu punho
  4. terminar o golpe (boa terminação) e já cair equilibrado com a perna esquerda para poder se recuperar o mais rápido possível.
Drop shot de direita

Este golpe tem que ser bem camuflado para ser eficiente. O jogador tem que esconder que vai dar a curta até o último momento e só então fazer a mudança do grip de uma direita de ataque para o drop shot com slice. Imagine um jogador que arma como se fosse bater uma direita de ataque, que é um dos seus melhores golpes, que ele também esteja em uma situação de controle no ponto, e ele está posicionado bem dentro da quadra. Com isso, seu adversário, que está na defesa, começará a ir para bem atrás da sua própria quadra, esperando uma bola profunda. É esta situação que faz com que este golpe seja eficiente.
O golpe está armado, mostrando uma posição de direita de ataque, quando de repente, o tenista muda de grip para aplicar um drop shot com slice, fazendo a bola quicar curta e baixa. Perceba que, ao aplicar este golpe, ele segue em direção á rede para fechar o ângulo caso o adversário alcance a bola.

Extraído da revista Tênis

Cordas para raquete de Tênis

Existem 5 tipos de cordas a de nylon, tripa sintética, poliéster, tripa natural e a de materiais de alta performance.

Nylon:

  • são as mais simples do mercado. Baixo custo
  • perdem tensão rapidamente
  • alteram-se facilmente com a variação de temperatura
  • tem baixa absorção de impacto - existem exceções
  • em geral são grossas
  • são mais resistentes as quebras.
Tripa sintética:

  • custo intermediário
  • perdem menos tensão do que o nylon
  • estão menos sujeitas a variação de temperatura
  • tem boa absorção ao impacto
  • em geral são finas ou intermediárias
  • resistem menos a quebra do que o nylon.
Poliéster:

  • alta perda de tensão
  • sofrem pouco com a variação de temperatura
  • tem várias espessuras
  • bem resistentes a quebra
  • custo intermediário
  • absorção baixa de impacto.
Tripa natural:
  • segue e otimiza todas as características da tripa sintética
  • extremamente sensível a umidade
  • alto custo.
Materiais de alta performance:

  • são cordas sintéticas de altíssimo nível. Dividimos estas em dois grupos:
  • de alta absorção ao impacto. São as cordas indicada a tenistas com histórico de incômodo em qualquer parte do braço
  • de alta jogabilidade. São as cordas indicadas aos tenistas competitivos. Em geral são compostas por diversos polímeros.

Extraído do site: www.raquetes.com.br

Vídeos engraçados

Imitações de N. Djokovic



Alguns jogadores cantando no karaokê em Roland Garros



Melhores pontos

N. Djokovic x Tsonga 



Melhores pontos de Djokovic



O melhor ponto entre R. Federer e L. Hewitt




A. Roddick x M. Raonic




A. Roddick x N. Kiefer (2004)


Contagem dos Games

É que os europeus se baseavam nas medidas do sextante. A sexta parte de um círculo tem 60 graus. No passado, para vencer o adversário, um jogador deveria ganhar seis sets compostos de quatro games, cada game valendo 15 pontos. A pontuação total resultaria em 360 graus, que corresponde ao círculo completo. Com o tempo, a progressão geométrica 15, 30, 45 foi modificada e o terceiro ponto passou a ser 40. O número teria sido modificado para facilitar o anúncio no marcador.

Copa Davis

Copa Davis - Grupo Principal
Semi-finais - 16/09/2011 a 18/09/2011


Sérvia x Argentina 2 a 3
V. Troicki vs D. Nalbandian 4/6, 6/4, 2/6, 3/6 
J. Tipsarevic vs J. M. Del Potro 5/7, 3/6, 4/6
Tipsarevic/Zimonjic vs Chela/Monaco 7/6, 6/4, 6/2
Djokovic vs Del Potro 6/7, 0/3 abandono de Djokovic
Tipsarevic vs Monaco 6/2, abandono de Monaco

Espanha x França 4 a 1
Nadal vs Gasquet 6/3, 6/0, 6/1 
Ferrer vs Simon 6/1, 6/4, 6/1 
López/Verdasco vs Llodra/Tsonga 1/6, 2/6, 0/6
Nadal vs Tsonga 6/0, 6/2, 6/4
Verdasco vs Gasquet 6/2, 6/1 

Final 
Data 02/12/2011 a 04/12/2011

Argentina vs Espanha


Copa Davis - Repescagem
Data 16/09/2011 a 18/09/2011


A repescagem para o grupo principal da Copa Davis é a fase de disputas entre as equipes do Grupo Mundial derrotadas na primeira fase e os classificados da zona 1 dos grupos regionais.
Partidas:

Romênia x República Tcheca 0 a 5

Rússia x Brasil 

Youzhny vs R. Mello 6/0, 6/2, 6/1
Andreev vs Bellucci 4/6, 3/6, 3/6
Kunitsyn/Tursunov vs Soares/M. Mello 4/6, 5/7, 2/6
Youzhny vs Bellucci 2/6, 6/3, 5/7, 6/4, 14/12
Tursunov vs R. Mello 6/1, 7/6, 2/6 , 6/3



Israel x Canadá 2 a 3
África do Sul x Croácia 1 a 4
Chile x Itália 1 a 4
Japão x Índia 4 a 1
Áustria x Bélgica 4 a1
Austrália x Suiça 2 a 2 (partida suspensa por falta de luz)

Curiosidades

O saque mais rápido


Ivo Karlovic quebrou o recorde de Andy Roddick de saque mais rápido da história, durante o confronto com a alemanha, na Copa Davis, em Zagreb. O croata sacou a 251 Km/h, ultrapassando os 249,4 Km/h de A. Roddick.

Raquetes avançadas

Raquetes Avançadas:

Babolat Pure Drive GT 
Babolat Aeropro Drive 

                                                                 
                                                       
Wilson K six one 95

Como ter um bom drop shot

Técnica:

Para uma boa execução de um drop shot (deixada), a empunhadura mais adequada é a Continental, embora tenha jogadores que utilizem a empunhadura Eastern. Com a empunhadura Continental o jogador tem mais facilidade de controlar a bola, para dar o slice (o corte) necessário para que a bola não suba ao quicar na quadra adversária.

O ideal para os jogadores que estão começando, é usar a empunhadura continental, com o uso da empunhadura eastern o jogador acaba tendo dificuldade de usar o drop shot (deixada), com isso, acabam ficando limitados ao golpe de fundo de quadra.

Mecânica:

A mecãnica da deixada é bastante parecida com a mecânica do slice (corte) de fundo e do voleio. A diferença do drop shot em relação ao slice, está no ponto de contato e na velocidade do golpe. Na deixada, o toque na bola deve ser efetuada mais na parte debaixo da bola.

Altura:

È comum que alguns jogadores, na intenção de gerar o slice na bola, abram demais a cabeça da raquete e, com isso, a bola sai muito alta (flutuante), que acaba facilitando a chegada do adversário. Também não deve ser uma deixada baixa, que acabam escorregando para o adversário. O ideal é que seja uma bola que tenha uma trajetória que limite estes dois aspectos.

Controle:

Para que você execute uma bom drop shot é necessário controle (toque de bola). Para você que quer aperfeiçoar seu drop shot, treine com a empunhadura Continental no quadrado do saque ou perto da parede, sempre buscando sentir bem a bola, ou seja, controlá-la em sua direção, altura e força.

Tática:

Segredos de uma boa deixada é escolher a hora certa para executá-la:

  1. a posição do seu adversário
  2. a sua posição na quadra
Exemplo em que tipos de jogadores você poderá usar o drop shot:
Jogadores que são lentos paracorrer para frente, ou que não jogam bem na rede, ou que não têm um bom condicionamento físico, ou para quebrar o ritmo das trocas de bolas. Mesmo que seu adversário chegue na bola, você ainda poderá ganhar o ponto, se ele errar a bola de chagada na deixada, ou com uma passada, um lob, ou um erro de voleio de seu oponente.
Se você não costuma utilizar o drop shot, não perca mais tempo, pratique nos seus treinamentos e depois que você adquirir aquela confiança utilize no seu jogo.




Ranking ATP de duplas masculino

  1. Mike Bryan (EUA) 9,620 pontos
  2. Bob Bryan (EUA) 9,5500 pontos
  3. Paes Leander (IND) 7,655 pontos
  4. Radek Stepanek (CZE) 7,305 pontos
  5. Daniel Nestor (CAN) 7,150 pontos
  6. Marc Lopez (ESP) 6,840 pontos
  7. Max Mirnyi (BLR) 6,830 pontos
  8. Robert Lindstedt (SWE) 6,000 pontos
  9. Horia Tecau (ROU) 5,940 pontos
  10. Marcel Granollers (ESP) 5,790 pontos

      Ranking WTA feminino

      1. Victoria Azarenka (BLR) 10,595 pontos
      2. Maria Sharapova (RUS) 10,045 pontos
      3. Serena Williams (EUA) 9,400 pontos
      4. Agnieszka Radwanska (POL) 7,425 pontos
      5. Angelique Kerber (ALE) 5,550 pontos
      6. Sara Errani (ITA) 5,100 pontos
      7. Na Li (CHN) 5,095 pontos
      8. Petra Kvitova (CZE) 5,085 pontos
      9. Samantha Stosur (AUS) 4,135 pontos
      10. Caroline Wozniacki (CAN) 3,765 pontos

      Ranking ATP masculino

      1. Novak Djokovic (SRB) 12,920 pontos
      2. Roger Federer (SUI) 10,265 pontos
      3. Andy Murray (GBR) 8,000 pontos
      4. Rafael Nadal (ESP) 6,795 pontos
      5. David Ferrer (ESP) 6,505 pontos
      6. Thomas Berdych (CZE) 4,680 pontos
      7. Juan Martin del Potro (ARG) 4,480 pontos
      8. Jo-Wilfried Tsonga (FRA) 3,490 pontos
      9. Janko Tipsarevic (SER) 2,990 pontos
      10. Richard Gasquet (FRA) 2,515 pontos 

      História do Tênis

      Tênis é um esporte de origem inglesa, disputado em quadras geralmente abertas e de superfícies sintéticas (Australian Open), cimento (US Open), saibro (Roland Garros), ou relva (Wimbledon), esses torneios são os quatro Grand Slam do ano e são os mais importantes. Participam no jogo dois oponentes (simples) ou duas duplas de oponentes, podendo ser mistas de (homens e mulhres) ou não. A quadra é dividida em duas meia-quadras por uma rede, e o objetivo do jogo é rebater uma pequena bola com uma raquete, para além da rede (para meia quadra adversária).

      Estilo de jogo

      Conheça o estilo de jogo de seu adversário e vença-o!

      *Consistentes

      Qualidades:
      • Movimentação lateral
      • Resistência
      • Velocidade
      • Recuperação 
      • Defesa
      • Paciência 
      • Foco
      Fraquezas:
      • Posicionamento
      • Movimentação pra frente
      • Força 
      • Adaptação
      • Ataque 
      • Jogo de rede
      Para vencer:

      • Mexer com equilíbrio
      • Ser paciente
      • Variar jogadas
      *Agressivos

      Qualidades:

      • Força
      • Ataque
      • Posicionamento
      • Pressão
      • Confiança nos golpes
      • Domínio de quadra
      • Ritmo e tempo de bola
      Fraquezas:

      • Movimentação 
      • Resistência
      • Defesa
      • Adaptação
      Para Vencer: 

      • Mexer com equilíbrio
      • Quebrar o ritmo
      • Atacar
      *Saque e voleio

      Qualidades:

      • Criatividade
      • Antecipação
      • Ataque
      • Posicionamento
      • Movimentação
      • Variação
      • Adaptação
      • Pressão
      Fraquezas:

      • Defesa
      • Jogo de fundo de quadra
      • Resistência
      Para vencer:

      • Variar jogadas
      • Atacar 
      • Desgastar.
      Lembrete:

      A maioria dos tenistas não gostam de jogar contra o seu "espelho", ou seja, não quer que seu oponente faça o mesmo jogo que ele. Se você consegue se adaptar bem a qualquer estilo, vale a pena tentar. Além dos três tipos de jogadores citados, podemos ainda lembrar dos all-court player, aqueles que têm domínio de todas as zonas de quadra. Aì você vai dizer: "Então estes jogadores são invencíveis?" Não é bem assim. Todos possuem pontos fracos.